Revestimentos são empregados nas embalagens metálicas de Aerossol , contenedores e válvulas de FL e ALU com a finalidade principal de se evitar o contato direto dos metais com o granel , minimizando a ação de potenciais reações químicas e eletro-químicas, principalmente dentro e também fora da embalagem sob pressão.

O bom desempenho de tais revestimentos(coatings) / vernizes , dependem de variáveis como:

  • sua optimal aderência sobre a superfície metálica;
  • do grau de limpeza antes da aplicação;
  • do grau de porosidade desta superfície ;
  • do rigor do controle da espessura de camada do filme polimerizado;
  • de sua flexibilidade quando sujeita a processos de transformação mecânica que inclui também a operação de recravação da válvula de aerossol , no contenedor;
  • também de sua flexibilidade a deformação do contenedor acabado , que pela tendência da imposição de mercado na redução de custos, tende a diminuir seu peso em metal e por conseguinte a espessura da parede;
  • de suas propriedades de barreira;
  • do ideal utópico-platônico onde o revestimento seria “Impermeável” . de fato não é.
  • de sua Permeabilidade final, relacionada a Reticulação (ou rede/tela) , depois de polimerizada não permitir fluxo demasiado de íons e elétricos a nivel sub-atômico não permitindo a migração destes e de moléculas contidas nas substâncias componentes da formulação através da rede polimérica;
  • de não permitir que o granel possa reagir com ramificações de caráter iônico contidos por vezes na cadeia polimérica, degradando o revestimento.
  • desta permeabilidade não ser significativamente alterada com a adição de cargas minerais e pigmentos , como por vezes ocorre com a adição de Titânio (TiO2) e com isto por vezes diminuir a barreira;
  • de não migrar, nem como monômeros tão pouco como polímeros, para dentro da formulação;
  • do grau de cura do verniz depois de sujeito às temperaturas nos fornos de secagem,
  • de sua capacidade de resistência química a ácidos orgânicos e compostos alcalinos e de todos aqueles “misteriosos” íons livres, que acabam por se formar em dissociações e que ninguém imagina de onde podem ter saído;
  • de outras possibilidades que não se conseguem esgotar num Post como este…

De sua inércia química e resistência às diversas classes de solventes que incluem também os propelentes , modernamente considerados como co-solventes da formulação tais como Hidrocarbonetos , Dimetiléter , Acetáis,  Fluorados,etc

dentre muitas outras características não menos importantes , que só são lembradas quando alguma delas não funciona corretamente e acaba causando problemas.

Em linhas gerais os vernizes e demais materiais de revestimento que entrarão em contato com os graneis premidos , não devem migrar para o conteúdo dos acabados bem como não devem alterar suas características organolépticas e nem oferecer nenhum risco de toxicidade ao consumidor.

As resinas mais utilizadas na composição de vernizes e revestimento em embalagens metálicas pertencem as seguinte classes:

  • Fenólicas
  • Epoxídicas
  • Vinílicas
  • Oleoresinosas
  • Acrílicas
  • Polibutadiênicas
  • Alquídicas

Sendo que as mais utilizadas em revestimentos de embalagens de Aerossol de FL e ALU , são combinações de resinas do tipo Epóxi-Fenólicas, que serão descritas na aula seguinte.

Todos os Direitos autorais deste trabalho são protegidos por lei. É autorizada reprodução parcial de trechos, desde que sempre seja citada a fonte. As considerações filosóficas refletem apenas a opinião do autor ,que não está nem aí,  com a hipocrisia do politicamente correto.